Desempeño escolar y uso de estrategias de aprendizaje: un análisis de la educación primaria

Autores/as

  • Moura Da Silva Toledo Unidade do Vale do Sapucai
  • Ana Carolina and De Brito Cunha Neide Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza

Palabras clave:

Desempeño escolar, estrategias de aprendizaje, educación primaria

Resumen

Teniendo en cuenta que la literatura en el área destaca la correlación entre el uso de estrategias de aprendizaje cognitivas y metacognitivas y el buen desempeño escolar, este artículo busca verificar la correlación entre estas habilidades en estudiantes de primaria de una escuela del sur de Minas Gerais - Brasil. El instrumento utilizado fue la Escala de Evaluación de Estrategias de Aprendizaje para la Educación Primaria, de Boruchovitch y Santos (2010).

y como medida de desempeño se utilizaron los promedios obtenidos en las asignaturas de portugués y matemáticas del 1er y 2do bimestre del curso escolar. Los resultados indicaron que no existe correlación entre el uso de estrategias y el desempeño escolar, contrario a la literatura. Se encontró que las estudiantes de la muestra informaron usar más estrategias de aprendizaje que los estudiantes y los mayores demostraron usar menos estrategias que los estudiantes más jóvenes. Los datos son discutidos a la luz de la literatura.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Azzi, R. G. (2014) Introdução à teoria social cognitiva. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Bandura, A.; Azzy, R. G.; Polydoro, S. (2008) Teoria Social Cognitiva: conceitos básicos. Porto Alegre: Artmed.

Bartholomeu, D.; Montiel, J. M.; Néia, S.; Silva, M. C. R. (2016). Habilidades Sociais e Desempenho Escolar em Português e Matemática em Estudantes do Ensino Fundamental. Temas em Psicologia, v. 24, n. 4, p. 1343-1358.

Boruchovitch, E. (1999). Estratégias de aprendizagem e desempenho escolar: considerações para a prática educacional. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 12, n. 2, p. 361-376.

Boruchovitch, E. (2014). Autorregulação da aprendizagem: contribuições da psicologia educacional para a formação de professores. Revista Quadrimestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 18, n. 3, p. 401-409, set./ dez.

Boruchovitch, E.; Santos, A. A. A. (2009). Estratégias de aprendizagem e desempenho acadêmico: Evidências de validade. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 25, n. 4, p. 531-536, out.-dez.

Boruchovitch, E.; Santos, A. A. A.; Costa, E. R.; Neves, E. R. C.; Cruvinel, M.; Primi, R.; Guimarães, S. E. R. (2006). A Construção de uma Escala de Estratégias de Aprendizagem para Alunos do Ensino Fundamental. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 22, n. 3, p. 297-304, set.-dez

Brasil, Ministério da Educação. (1997a). Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro02.pdf

Brasil, Ministério da Educação. (1997b). Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro03.pdf

Capellini, S. A.; Tonelotto, J. M. F.; Ciasca, S. M. (2004). Medidas de desempenho escolar: avaliação formal e opinião de professores. Revista Estudos de Psicologia, PUCCampinas, v. 21, n. 2, p. 79-90, maio/agosto.

Cavenaghi, A. R. A.; Bzuneck, J. A. (2009). A motivação de alunos adolescentes enquanto desafio na formação do professor. In. IX Congresso Nacional de Educação, 2009, Paraná. Anais... Paraná: PUCPR, 2009, p. 1478-1489.

Costa, E. R.; Boruchovitch, E. (2010). As estratégias de aprendizagem de alunos repetentes do ensino fundamental. Psicologia em Pesquisa, v. 4, n. 1, p. 31-39, jan.-jun.

Costa, E. R.; Boruchovitch, E. (2019). Como promover a autorregulação da escrita no ensino fundamental? In: Gomes, M. A. M.; Boruchovitch, E.. (org.). Aprendizagem autorregulada. Petrópolis: Vozes. p. 70-95.

Costa, E. R.; Boruchovitch, E. (2004). Compreendendo relações entre estratégias de aprendizagem e a ansiedade de alunos do Ensino Fundamental de Campinas. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 17, n. 1, p. 15-24.

Costa, E. R.; Boruchovitch, E. (2015). O ensino de estratégias de aprendizagem no contexto da escrita. Psicologia da Educação, São Paulo, v. 41, p. 21- 35.

Da Silva A.L.; Sá, L. (1997). Saber estudar e estudar para saber. Porto, Portugal: Porto Editora.

Davim, R. M. B.; Germano, R. M. M.; Menezes, R. M. V.; Carlos, J. D. D. (2009). Adolescente/adolescência: revisão teórica sobre uma fase crítica da vida. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, v. 10, n. 2, p. 131-140, abril-junho.

Dembo, M. H. (2004). Motivation and learning strategies for college success: a selfmanagement approach. 2. ed. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates.

Dias, T. L.; Enumo, S. R. F; Turini, F. A. (2006). Avaliação do desempenho acadêmico de alunos do ensino fundamental em Vitória, Espírito Santo. Estudos de Psicologia, v. 23, n.4, p. 381-390, out/dez., 2006.

Fantinel, P. et al. (2013). Autorregulação da aprendizagem na educação a distância online. In: XVIII Conferência Internacional sobre Informática na Educação. Porto Alegre, RS. Anais... Porto Alegre: TISE, 2013. p. 146-154.

Ferraz, A. S.; Santos, A. A. A.; Almeida, L. S. (2019). Escala de atribuições de causalidade e rendimento escolar: Estudo de evidência de validade de critério. Revista Portuguesa de Educação, v. 32, n. 1, p.125-139.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (2017). Sistema de Avaliação da Educação Básica – SAEB. INEP. Disponível em:http://portal.inep.gov.br/web/guest/inicio

Lins, M. R. C.; Araújo, M. R.; Minervino, C. A. S. M. (2011). Estratégias de aprendizagem empregadas por estudantes do Ensino Fundamental. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, v. 15, n. 1, p. 63-70, jan.-jun.

Oliveira, Z. M. R. (1998). Avaliação da aprendizagem e progressão continuada: bases para a construção de uma nova escola. Estudos em Avaliação Educacional. São Paulo, n. 18, p. 7-11, jul./dez.

Oliveira, K. L.; Boruchovitch, E.; Santos, A. A. A. (2010a) Escala de Avaliação de Estratégias de Aprendizagem para o Ensino Fundamental. Manuscrito não publicado.

Oliveira, K. L.; Boruchovitch, E.; Santos, A. A. A. (2009). Estratégias de Aprendizagem e desempenho acadêmico: evidências de validade. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 25, n.4, p. 531-536, out-dez, 2009.

Oliveira, K. L.; Boruchovitch, E.; Santos, A. A. A. (2008). Leitura e desempenho escolar em português e matemática no ensino fundamental. Paidéia. Ribeirão Preto, v. 18, n. 41, p. 531-540, set./dez. 2008.

Oliveira, K. L.; Boruchovitch, E.; Santos, A. A. A. (2010b). Manual da Escala de Avaliação das Estratégias de Aprendizagem para o Ensino Fundamental – EAVAP – EF. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Oliveira, K. L.; Boruchovitch, E.; Santos, A. A. A. (2011). Estratégias de aprendizagem no ensino fundamental: análise por gênero, série escolar e idade. PSiCo, Porto Alegre, PUCRS, v. 42, n. 1, p. 98-105, jan./mar.

Palitot, M. D.; Meireles, J. S.; Brito, F. A. T.; Silva, H. M. L.; Batista, A. T. (2017) A relação entre estratégias de aprendizagem e rendimento escolar no ensino médio. Revista de Pesquisa Interdisciplinar, Cajazeiras, v. 2, n. 2, p. 128-138, jun./dez.

Perassinoto, M. G. M.; Boruchovitch, E.; Bzuneck, J. A. (2013). Estratégias de aprendizagem e motivação para aprender de alunos do Ensino Fundamental. Avaliação Psicológica, v.12, n. 3, p. 351-359.

Pereira, D. R. M. (2006). Fatores associados ao desempenho escolar nas disciplinas de matemática e de português no ensino fundamental: uma perspectiva longitudinal. 2006. Tese (Doutorado em Demografia) - Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Polydoro, S. A. J.; Azzi, R. G. (2009). Autorregulação da aprendizagem na perspectiva da teoria sociocognitiva: introduzindo modelos de investigação e intervenção. Psicologia da Educação, São Paulo, v. 29, n. 2, p. 75-94.

Prates, K. C. R.; Lima, R. F.; Ciasca, S. M. (2018). Estratégias de aprendizagem e sua relação com o desempenho escolar em crianças do Ensino Fundamental I. Revista de Psicopedagogia, São Paulo, v. 33, n. 100, p. 19-27, 2016. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S01038486201600010000 3&lng=pt&nrm=iso. Acesso em:26 abr.

Pressley, M. Woloshyn, V.; Burkell, J.; Cariglia-Bull, T.; Lysnchunk, L.; McGoldrick, J. A.;Shneider, B; Snyder, B. L.; Symons, S. (1995). Cognitive strategy instruction that really improves children’s academic performance. 2 ed. Cambridge, Mass: Brookline Boks.

Rufini, S. E.; Bzuneck, J. A.; Oliveira, K. L. (2012). A qualidade da motivação em estudantes do ensino fundamental. Paidéia, v. 22, n. 51, p. 53-62, jan.-abr.

Serafim, T. M.; Boruchovitch, E. (2010). O pedir ajuda: concepções dos estudantes do ensino fundamental. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, Londrina, v. 1, n. 2, p. 159-171, dez.

Siqueira, C. M. N.; Gurgel-Giannett, J. (2011). Mau desempenho escolar: uma visão atual. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 51, n. 1, p. 78-87.

Suehiro, A. C. B.; Boruchovich, E.; Schelini, P. W. (2018). Estratégias de aprendizagem e regulação da emoção no ensino fundamental. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, v. 9, n. 3, p. 90-111, dez.

Weinstein, C. E.; Mayer, R. E. (1983) The Teaching of Learning Strategies. Innovation abstracts, v. 5, n. 32, p. 1-4.

Zimmerman, B. J. (2000). Self-efficacy: An essential motive to learn. Contemporary Educational Psychology, v. 25, p. 82-91.

Descargas

Publicado

2021-10-08

Número

Sección

Investigación